• Twitter
  • Facebook

Blog Memória Futebol


Copa do Rei: Um pedido polêmico

31/05/2012 Categoria:   Comentários Nenhum comentário

Mundo Deportivo

“Espe, Por que no te callas!” A imprensa catalã foi dura com a presidente da região de Madrid, Esperanza Aguirre (Partido popular de direita) a qual é a favor da disputa a portas fechadas da final da Copa da Espanha, prevista nesta sexta-feira, entre Athletic de Bilbao e Barcelona. A ideia seria evitar que os torcedores bascos e catalães vaiassem o hino espanhol.

“O ultraje à bandeira e ao hino nacional são considerados crimes de acordo com o Código Penal espanhol. Não podemos tolerar isto e creio que o jogo deveria ser adiado e disputado a portas fechadas”, declarou na terça-feira passada na rádio Onda Cero.

Senhora Aguirre teme que se repita o ocorrido na final da Copa do Rei de 2009 disputada entre ambas as equipes quando os torcedores vaiaram efusivamente o hino nacional. Um momento embaraçoso censurado na época pela televisão pública TVE.

Os jornais catalães retrucaram a proposta nesta última quarta-feira. O jornal de esportes Mundo Deportivo publicou em sua capa: Por que não te calas? O jornal Vanguardia, em seu editorial intitulado “o erro de Aguirre” solicitou aos políticos de não causarem tanta polêmica sobre este fato e não brincarem de  bombeiros piromaníacos.

O ministro do interior, Jorge Fernandez Diaz, também pediu a colaboração de todos para acalmar os ânimos. O presidente do Barcelona, Sandro Rosell, em contrapartida, solicitou aos torcedores de “exprimirem livremente seus sentimentos”. O zagueiro blaugrana Gerard Piqué estimou na coletiva de imprensa que havia problemas muito mais importantes que tinham que ser levados em conta no país. Em profunda recessão desde o início do ano, a economia espanhola está assolada pelo desemprego de 24,4% e um recuo do PIB de 1,7%.

Alguns deputados da oposição acusaram a presidente, figura marcante do partido da maioria, de querer desviar a atenção da opinião pública das dificuldades financeiras da região. Outros insistiram sobre a autorização de manifestar dada pelo Tribunal Superior de Justiça de Madrid às associações de extrema direita no dia da final no estádio Vicente Calderon, com o slogan “Contra o separatismo, uma bandeira”. A Casa Real lamentou a politização do jogo e indicou que o Príncipe Felipe estará presente na final como previsto, substituindo a ausência do rei Juan Carlos, ainda convalescente de um cirurgia depois de uma queda em um polêmico safari.

Fonte: Blog do Xico Malta em 25/05/2012


 

 

Um crime contra Ganso!

Autor: Adriano Fernandes - 30/05/2012 Categoria: Adriano Fernandes   Comentários Nenhum comentário

Ganso

Não sei se é verdade, mas saiu nos jornais, na TV e na Internet e ninguém desmentiu. Então sou forçado a acreditar que Paulo Henrique Ganso tomou injeção no joelho para poder jogar.

A injeção é para o jogador não sentir dor.

Foi o que fizeram com Mané Garrincha.

Sei, alguém vai dizer:

- Ora, Michel, os tempos são outros. Garrincha era no tempo em que se amarrava “cachorro com linguiça”. Hoje a medicina está muito mais avançada.

Claro, concordo, Garrincha foi entre as décadas de 50 e 60. Cinquenta anos atrás. A medicina evoluiu.

Mas injeção para que alguém não sinta dor é a mesma coisa de 50 anos atrás.

O cara não sente dor e joga como se não tivesse nada. A contusão, por mais que me convençam e por mais que eu não tenha tido uma confirmação, só vai piorando.

Tudo está mal explicado nesse caso.

O médico do Santos garantiu que Ganso só ia passar por uma atroscopia para “retirar uma sujeirinha do joelho”. Uma limpeza.

Não dá para entender como na reta final de uma Copa Libertadores da América resolvem fazer uma atroscopia para apenas “uma limpeza” num dos melhores jogadores do Santos.

Um jogador que certamente vai fazer falta.

Se a cirurgia é “tão sem importância”, porque não deixaram para fazer depois da Libertadores.

Acho que o Santos está na obrigação de xplicar melhor essa incrível história.

Incrível para os dias de hoje…  Se ela acontecesse nos tempos de Mané Garrincha, haveria uma chiadeira danada, como aconteceu quando a imprensa em geral tomou conhecimento das infiltrações e dos joelhos inchados pelo sangue pisado, que Garrincha suportou em sua carreira.

O DINHEIRO DE ROBERTO CARLOS

Ao que parece Roberto Carlos, o lateral-esquerdo campeão do mundo em 2002, está sendo processado e perdeu uma causa no valor de R$360 mil para uma ex-funcionária.

A Justiça bloqueou as contas bancárias de Roberto Carlos. E encontrou… R$7,00 e uns quebrados.

É de rolar de rir.

Roberto é um dos maiores jogadores do mundo dos últimos 20 anos, só no Real Madrid jogou por 10 ou mais anos, e só tem míseros 7 reais em suas contas nos bancos. É de rolar de rir.

Por Michel Laurence em 25/5/2012

Fonte: Jogo Quase Perfeito



 

 

Gol contra da Brahma

Autor: Rafael Porcari - 30/05/2012 Categoria: Roberto Vieira   Comentários 1 comentários

A cerveja Brahma vem do tempo do Império.

Brahma mais antiga que o futebol brasileiro.

Futebol rimava com uísque e gim.

Hoje brinca de cerveja.

O Sport Club do Recife tem cento e sete anos.

Sport nascido nos primórdios do futebol brasileiro.

Sport batizado nas batalhas de Belém do Pará.

Leão do Norte.

A Brahma vive da embriaguez do gol.

O Sport, também.

A Brahma pensa que é número um.

Embora seja a número dois.

O Sport é número um no coração de três milhões de brasileiros.

A maioria dizendo 'oxente' e 'arretado'.

A Brahma nada em dinheiro.

O Sport nada em vermelho e preto.

A Brahma refresca até pensamento.

A Brahma não refrescou com o clube da Ilha.

Em um momento incomum no marketing brasileiro.

A Brahma ironizou o Sport Club do Recife.

Sport que viveria na 'aba' de outro grande clube brasileiro.

Gol contra mil vezes da Brahma.

Pois a embriaguez da cerveja.

Passa.

O amor incondicional pelo clube.

Fica.

Até o final dos tempos...



 

 

O que é que a Bahia tem?

29/05/2012 Categoria: Roberto Vieira   Comentários Nenhum comentário

Bahia 1960

O Brasil era maior que o Rio-São Paulo.

O Brasil ia mais longe que o Pernambuco-Bahia.

O Brasil ia além dos Pampas.

Além da nossa imaginação.

Brasília se erguia.

O troféu era inglês.

Custara a fortuna de 300 mil cruzeiros.

João Havelange abriu os cofres da CBD

O maior torneio da história do país do futebol.

O primeiro campeão de fato do futebol campeão do mundo.

Tinha que levar pra casa um tesouro.

Surpresa.

Na cabeça de todo torcedor tupiniquim.

O campeão seria o Santos.

Zito erguendo o troféu.

Pois é.

Esqueceram de avisar o Dr. Nadinho.

Nadinho que pegou muito nos três jogos decisivos.

Esqueceram de avisar o Alencar.

Enchendo as redes de Manga com gols.

Muitos gols.

E o primeiro campeonato genuinamente brasileiro.

Foi para a terra que viu nascer o Brasil.

O rico troféu inglês.

Foi para as mãos do capitão Beto.

João Gilberto chorou de emoção.

Caymmi sorriu nas cordas do seu violão.

O que é que a Bahia tem?

Tem o primeiro campeão brasileiro.

Também...



 

 

Leiloa-se uma Taça de Campeão

Autor: José Renato - 28/05/2012   Comentários Nenhum comentário

Troféus

No próximo dia 2 de junho, uma das mais tradicionais equipes do futebol brasileiro completa 98 anos, o Ceará Sporting Club.

Motivos para comemorar?

Certamente o alvinegro conhecido por sua apaixonada torcida, como Vozão, tem uma das histórias mais ricas em nosso futebol.

O maior campeão do estado do Ceará, com 41 títulos, conquistou no último dia 13 de maio o bicampeonato estadual, justamente frente o grande rival, o Fortaleza.

No mesmo dia 2 de junho, qualquer pessoa poderá adquirir algo conquistado pela equipe alvinegra.

A partir das 10:00, a Associação Madre Paulina, que cuida de crianças carentes, irá promover o leilão da Taça de Campeão Cearense de 2012.

Motivo?

Muito embora o título de campeão cearense tenha sido conquistado por toda uma coletividade de torcedores que, juntamente com os atletas, “empurraram” a equipe para vencer a competição estadual de forma lícita e dentro do campo, os dirigentes do querido Vozão decidiram não receber a taça.

Motivo?

Protesto contra decisões tomadas pela Federação Cearense de Futebol (FCF).

Diante disso a FCF repassou a Taça de Campeão Cearense de 2012 para uma entidade beneficente, a Associação Madre Paulina.

O que?

Sim, os dirigentes do Ceará Sporting Club se colocaram acima da grandeza de uma entidade quase centenária e abriram mão de uma taça conquistada, também, por todos nós, torcedores.

Desta forma, esta taça pertence a todos os torcedores do Vozão e não a uma diretoria.

Tomara que algum torcedor alvinegro adquira a taça e guarde com o mesmo amor verdadeiro que todos nós, torcedores, mantemos pelo nosso time, independentemente, das pessoas que o dirigem.

Saldo Positivo?

O leilão da Taça permitirá o levantamento de recursos que poderão ser utilizados em prol de crianças carentes.

Sendo assim, ainda há tempo dos dirigentes do Alvinegro tomarem uma atitude em prol de seus torcedores e, certamente, da sociedade alencarina.

Humildemente faço um pedido de torcedor comum que acompanha o Vozão com toda paixão desde a década de 1970 quando assistia jogos no estádio Presidente Vargas, comendo um “Cai Duro” (sanduíche de origem nem sempre conhecida) com um guaraná Wilson nas mãos.

- Dirigentes do Ceará Sporting Club, adquiram a Taça de Campeão Cearense de 2012 e repassem a sua verdadeira dona, a entidade que vocês estão gerindo no momento. Apenas desta maneira, vocês estarão reparando este lamentável equívoco de abrir mão de algo que não pertencem a vocês em prejuízo do Alvinegro e seus torcedores. Além disso, estarão contribuindo com recursos próprios a crianças que realmente necessitam.

- Caros dirigentes alvinegros, reitero, ainda há tempo de apagarem esta mancha na história de nosso clube. Por favor, anotem em suas agendas:

Leilão do Troféu de campeão do Campeonato Cearense 2012

Local: Montenegro Leilões

Endereço: Rua Ademar Paula, 1000 - próximo ao Estádio Castelão, na cidade de 

Fortaleza

Dia: 2 de junho

Horário: 10 horas

Valor Inicial: R$ 5.000,00



 

 

Porque queremos muitos outros “Duílios Martino” e “Airtons Fontenele”

Autor: José Renato - 27/05/2012   Comentários Nenhum comentário

Como torcedor de futebol e colecionador de revista sobre esportes em geral, nesta última semana adquiri algumas publicações especiais sobre o campeonato brasileiro de 2012 que se iniciou no último final de semana.

Não há como negar que houve um significativo aumento na oferta de publicações o que, teoricamente, é muito interessante ao público que compõe este mercado consumidor.

Quando era apenas um moleque, lembro bem que “as opções eram” quase que apenas a Revista Placar, se bem que durante alguns anos, ainda havia a Manchete Esportiva.

Hoje a quantidade é muito maior. A quantidade apenas, infelizmente.

Os guias especiais dos campeonatos brasileiros repetem anualmente os mesmos textos, conteúdos e estatísticas, que apenas são atualizadas ao final de cada competição realizada.

Lembro sempre alguns historiadores memoráveis e gostaria de destacar dois deles, saudoso Duílio Martino e o cearense Airton Silveira Fontenele, pessoas que sempre passearam pela minha memória de torcedor e historiador.

O "Dr. Duílio" como era chamado sempre foi considerado um dos maiores especialistas em seleção brasileira de futebol, uma verdadeira enciclopédia ambulante. Ainda tenho uma edição da revista Placar, nos anos de 1980, onde ele identificara um equívoco enorme da CBF. 

Em 1982 como uma forma de homenagear o Furacão da Copa, Jairzinho, a CBF decidira contar com sua participação na partida amistosa da seleção Brasileira frente a seleção da Tchecoslováquia, a se realizar em 3 de março daquele ano no estádio do Morumbi. O argumento utilizado é que aquele seria o jogo de número 100 de Jairzinho vestindo a camisa da seleção canarinho.

Pois bem, não perguntaram ao Dr. Duílio, que logo veio a público, com levantamentos escritos em próprio punho afirmando que a homenagem era válida, mas que aquele não seria o centésimo jogo do Furacão.

Como esta, foram várias as contribuições dele, assim como de um cearense nascido na pequena cidade de Viçosa do Ceará, Airton Fontenele.

Leitor que era da seção de Cartas da revista Placar, ainda na década de 1970, seu nome era recorrente, sempre indicando correções sobre informações anteriormente publicadas de forma incorreta ou apresentando novos levantamentos e curiosidades.

Durante alguns anos “Seo Fontenele” chegou a ser fonte de pesquisa da própria FIFA, tamanha era a exatidão das informações que levantava.

É certamente um dos maiores contribuidores da mídia esportiva brasileira e até hoje delicia os ouvintes de programas de rádio da capital cearense, com curiosidades inéditas, diretamente de sua biblioteca particular a qual chama de “Sala João Saldanha”.

Hoje, embora tenhamos acesso as informações de forma rápida e tenhamos historiadores fantásticos, que não irei citar apenas para não cometer injustiça de esquecer alguém, nossas publicações esportivas ainda teimam em seguir o modelo mais fácil.

Informações iguais, curiosidades que já foram repetidas a exaustão e que justamente por isso não podem mais ser consideradas como curiosas e o que é pior, as mesmas fontes de sempre são utilizadas.

Para quem acompanha futebol, basta observar a presença frequente dos mesmos nomes em todas as publicações esportivas, principalmente quando consideramos edições especiais históricas.

Ao que parece há uma certa tendência a existir uma reserva de mercado, sempre os mesmos profissionais são chamados.

A história volta a se repetir, o que explica que nomes como o do “engenheiro Dr. Duílio” e o “dentista de formação Seo Fontenele” e a excelência de seus trabalhos no ramo esportivo sejam esquecidos para segundo plano.

Hoje ainda temos centenas de Duílios e Fonteneles espalhados pelo Brasil desenvolvendo pesquisas e estudos brilhantes e igualmente ignorados. Eles são considerados por muitos como apenas como “torcedores fanáticos” ou “apaixonados”.

Que sejam louvados todos aqueles que se dispõem a dar espaço a estes anônimos pesquisadores.



 

 

Números e Dados do Brasileirão 2012

27/05/2012 Categoria:   Comentários 1 comentários

brasileirao-serie-a-4fc2462989734.jpg

Números e Dados do Brasileirão - No úlimo final de semana tivemos a primeira rodada do Brasileirão 2012, é hora de compararmos os números dessa rodada com os números da competição de 2011 e levantarmos curiosidade dos primeiros jogos da competição

1) Na primeira rodada do Campeonato Brasileiro deste ano foram marcados 20 gols, média de dois gols por partida número inferior da média de 2011 que foi 2,67 gols por partida. 

2) Na primeira rodada do Brasileirão 2012 tivemos 40% das partidas terminadas em empates e 60%  com time vencedor; ou seja, números diferentes em relação da 2011 que tiveram 72,36% de partidas com vencedor e 27,64% de empates.

3) Em 2012, dos 20 times que vão disputar a Série A, 50% (10 times) serão do eixo RJ-SP, serão eles: São Paulo, Palmeiras, Corinthians, Santos, Ponte Preta, Portuguesa, Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo. Destes dez, apenas dois Ponte Preta e Portuguesa nunca foram campeões brasileiro.

4) Os times paulistas estiveram envolvidos em cinco partidas nesta rodada, portanto a pontuação máxima seria 15 pontos para as equipes do Estado, porém os seis clubes paulistas somaram apenas 3 pontos, logo um aproveitamento de apenas 20%.

5) Apenas Atlético MG e Fluminense venceram nesta primeira rodada atuando fora de seus domínios.

6) Das 20 equipes que estão na Série  A do Campeonato Brasileiro de 2012, três quartos das equipes, ou seja, 15 times, já conquistaram o Campeonato Brasileiro.  

7) Das cinco equipes que nunca foram campeões brasileiros e estão na Série A deste ano apenas o Figueirense venceu na primeira rodada.As outra quatro equipes são: Ponte Preta, Portuguesa, Náutico e Atlético GO.

8) Apenas um jogador marcou mais de um gol nesta primeira rodada trata-se de Herrera, que marcou por 3 vezes na partida contra o São Paulo. A não ser o  próprio Botafogo, nenhuma equipe marcou três gols nesta primeira rodada.   

9) Nenhum estado da federação que tem mais de uma equipe na Série A de 2012 obteve 100% de aproveitamento nesta rodada. . 

10) A vitória por 2 a 0 sobre o Coritiba foi a partida de número 1100do Internacional na história do Compeonato Brasileiro.




 

 

Às vésperas dos Jogos, Londres “limpa” área do parque olímpico de pobres e indesejados

Autor: Adriano Fernandes - 21/05/2012 Categoria: Adriano Fernandes   Comentários Nenhum comentário

Londres - Estátuas sem nome

Faltam pouco mais de dois meses para o início da Olimpíada de Londres. A tocha, que já foi acesa na Grécia, vai percorrer o mundo e circular pelas ruas da capital britânica até acender a pira no Parque Olímpico de Stratford, zona leste da cidade. Dentro do estádio, 80.000 pessoas vão vibrar com a cerimônia de abertura enquanto, do lado de fora, moradores, ex-moradores e ativistas vão denunciar a “limpeza” da área, uma das mais empobrecidas do país, feita à base de políticas agressivas de coerção e remoção de pessoas em favor do “benefício econômico”.

Dois exemplos recentes, retratados pelo jornal britânico The Guardian e pela rede estatal BBC, mostram como políticas públicas, aliadas à especulação imobiliária, desfiguraram a zona leste de Londres. O primeiro revelou os efeitos perniciosos da criação de “zonas de dispersão”, com o intuito de facilitar abordagens e remoção de pessoas com “comportamento anti-social” da área do Parque Olímpico. O segundo expôs a alta dos aluguéis na região e o conseqüente aumento no número de despejos praticados por proprietários ávidos pelo “dinheiro olímpico”.

Todos os dados expostos pela imprensa britânica têm como fonte o Games Monitor, ONG responsável por investigar e apresentar relatórios sobre as conseqüências dos Jogos Olímpicos para a cidade. A iniciativa, comparável à do Movimento Nossa São Paulo, já demonstrou em documentos bastante detalhados, compilados por voluntários, estudantes e especialistas, o crescimento no valor dos imóveis do leste de Londres, a explosão nos preços dos aluguéis e a prática de despejo.

Chama a atenção, de acordo com a ONG, como as práticas atravessam todo o espectro político britânico desde que Londres foi selecionada para sediar a Olimpíada. Novos Trabalhistas, liderados por Tony Blair, iniciaram o processo, agora assumido e levado a cabo pelo conservadorismo de David Cameron (foto ao lado). Ambos sempre exaltaram os “benefícios” que a Olimpíada traria ao Reino Unido.

Regeneração ou gentrificação?

A zona leste de Londres, uma das áreas mais pobres do país, já foi laboratório de pesquisa para o escritor Jack London, que resultou no best-seller O povo do abismo, e para o sociólogo Friedrich Engels, que ainda em sua juventude visitou o East End para escrever A condição da classe operária na Inglaterra. Ambos são retratos do início do século 20 que, com nova dose de alarmismo dos distúrbios do verão passado, povoam o imaginário londrino e engendram o movimento de “regeneração” da área, encampado por governo e proprietários.

“Para mim, a gentrificação (processo de exclusão econômica) é liderada pelos proprietários, mas facilitada por planejadores e tomadores de decisão. Comumente, em círculos de ativistas, ‘regeneração’ é tratada como ‘gentrificação patrocinada pelo Estado’. A explosão do preço das propriedades na cidade Olímpica/Stratford, no leste de Londres, parece ser um exemplo de ambas as coisas”, afirmou ao Opera Mundi a pesquisadora Carolyn Smith, colaboradora do Games Monitor.

Carolyn dá como exemplo documento elaborado pela Subprefeitura de Hackney, que administra os distritos mais afetados pelos Jogos. Intitulado “Convergence Strategic Regeneration Framework” (Modelo de Regeneração e Convergência Estratégica), ele impõe uma política que estimula a “mistura social” para nivelar as oportunidades na capital britânica.

“O documento essencialmente ignora a situação da população do leste de Londres – ele nos trata como um grupo problemático, dependente de auxílio-desemprego, aluguel social, salários baixos e que se mudam demais”, disse a pesquisadora, avessa à “tecnocracia perniciosa”. “Há nesse caso um privilégio de classe bastante definido, uma preferência por classes mais ricas e uma falta de comprometimento em diminuir as verdadeiras polarizações sociais.”

O leste de Londres é recipiente de ondas de imigrações desde o século 17. Já se estabeleceram ali franceses huguenotes, irlandeses, judeus e, desde a década de 1960, tornou-se lar para migrantes de Bangladesh. O distrito de Tower Hamlets e Newham, no sudoeste, é lar para a maior comunidade muçulmana da capital britânica. Eles são os principais afetados pela construção do Parque Olímpico.

“As pessoas são informadas sobre as mudanças, e não consultadas para moldá-las. Governos sob todas as administrações e em todos os níveis parecem ignorar as críticas sobre suas políticas urbanas. Nesse caso, elas (os moradores do leste de Londres) foram caladas pela falta de uma organização que lhes desse voz”, disse Carolyn.

‘O governo mente desde o primeiro dia’

A irritação com as medidas do governo britânica é evidente em Julian Cheyne. Ex-morador de um condomínio social, o Clays Lane Peabody Centre, em Stratford, ele foi despejado e o conjunto, demolido para dar lugar ao Parque Olímpico. O Clays Lane, construído em 1977 e composto por 57 casas, era conhecido como a maior co-operativa de moradores do Reino Unido e a segunda maior da Europa. Todos foram removidos para outras áreas.

“A Olimpíada de Londres mostra como o governo mente desde o primeiro dia. Eles classificam todo tipo de coisa como ‘benefício’, mas são coisas que nada têm a ver com a Olimpíada”, afirmou Cheyne ao Opera Mundi. “Despejos são característicos de megaeventos como a Olimpíada, e isso resulta em comunidades pobres desabrigadas e em desvantagem. O comércio pequeno e local não vai conseguir nada com a Olimpíada. Estamos falando de poder das corporações, que se beneficiam”, continuou.

Para Cheyne, o Rio de Janeiro, palco para os próximos Jogos, em 2016, precisa estar alerta ou “será tarde demais”. “O discurso de que a Olimpíada traz ‘benefícios’ será apresentado como um assunto de importância nacional, atropelando todas outras quaisquer considerações. Infelizmente, é provável que a maioria dos brasileiros aceitem esse argumento e que seja difícil de persuadi-los do contrário. Isso até o momento em que as pessoas vejam o que realmente está acontecendo e passem pela grande dor de cabeça que é a Olimpíada”, afirmou.

Por Roberto Almeida - Texto e Imagem

Fonte: Ópera Mundi / UOL



Paginação:  

Memória Futebol - todos os direitos reservados 2011

Ap1! Comunicação