• Twitter
  • Facebook

Blog Memória Futebol


Cuca luta contra o rebaixamento pela oitava vez em nove Brasileiros

Autor: José Renato - 20/08/2011   Comentários Nenhum comentário

cuca.jpg

por Paulo Vinicius Coelho

Cuca assumiu o Atlético Mineiro com derrota para o Botafogo, pela Copa Sul-Americana. No domingo seguinte, estreou no Brasileirão como treinador do Galo. Estava em 14o lugar. A derrota por 3 x 0 derubou o clube para a 17a posição e colocou Cuca na luta contra o rebaixamento pela oitava vez em nove edições de Campeonato Brasileiro por pontos corridos.

Das sete vezes anteriores, Cuca tirou Goiás (2003), Botafogo (2006) e Fluminense (2009) da zona da degola. Não foi rebaixado nenhuma vez, mas entregou o clube abaixo do que recebeu em três das oito vezes em que brigou contra o descenso. Além dessas, pegou o Flu em 2008 na zona de rebaixamento, em 19o lugar, e devolveu na mesma colocação. E saiu do Cruzeiro na zona de rebaixamento neste ano de 2011, mas iniciou a campanha na Toca da Raposa. 

Veja abaixo o retrospecto de Cuca contra o descenso:

2003 - GOIÁS - Assumiu na 10a rodada em 24o lugar (último). Entregou no final do campeonato (46 rodadas) em nono lugar. 

MELHOROU.

2004 - GRÊMIO - Dirigiu o São Paulo até a 28a rodada e entregou em sétimo lugar. Pegou o Grêmio na 29a rodada - o campeonato tinha 46. Estava em 22o lugar, fora da zona de rebaixamento que só incluía os dois últimos colocados. Nove jogos depois, entregou o Grêmio em 24o lugar (último). O Grêmio se salvou com Adílson Batista e Cláudio Duarte. 

PIOROU

2005 - SÃO CAETANO - Dirigiu o Coritiba e entregou em 15o lugar, na 29a rodada. Assumiu o São Caetano. Assumiu o São Caetano na 37a rodada, em 16o lugar, com 22 clubes na disputa. Foi até o final do Campeoanto. Salvou-se.

Mas o time terminou em 17o lugar, uma posição abaixo do que recebeu. 

PIOROU.

2006 - BOTAFOGO - Assumiu na sétima rodada, em 18o lugar. Foi até o final da campanha. Terminou em 12o lugar. 

MELHOROU

2008 - SANTOS - Deixou o Botafogo na terceira rodada em 9o lugar. Assumiu o Santos na quarta rodada em 14o. Entregou em 18o lugar depois de 14 partidas, com 3 vitórias, 4 empates e 7 derrotas.

PIOROU

2008 - FLUMINENSE - Assumiu na 19a rodada em 19o lugar. Entregou nove partidas depois, com 2 vitórias, 5 empates e 2 derrotas em 19o lugar.

NÃO AJUDOU

2009 - FLUMINENSE - Assumiu na 22a rodada em 19o lugar, quatro pontos abaixo do primeiro dos que se salvavam. Entregou o time salvo, na última rodada, em 16o lugar.

MELHOROU

2011 - CRUZEIRO - Entregou na quarta rodada em 17o lugar.

ATLÉTICO MINEIRO - Assumiu na 16a rodada em 14o lugar. Está na 18a posição após dois jogo.


 

 

Aniversariantes do dia 20 de agosto

20/08/2011 Categoria:   Comentários Nenhum comentário

Mimosense FC - O Mimosense FC é uma equipe de futebol profissional da cidade de Mimoso do Sul, no Espírito Santo. Fundado em 1993, o time se encontra afastado do futebol estadual faz alguns anos. Contudo, isso não impede que clube brilhe nos certames, mesmo atuando como amador, a equipe vem apresentando um bom futebol.

Tapurah EC- o munícipio de Tapurah, no estado do Mato Grasso, também já esteve presente no profissionalismo. Nos anos de 1998 à 2000 o leão, como é conhecido, disputou a extinta terceira divisão matogrossense. Foi fundado em 1997, suas cores são azul e branco e seu estádio tem capacidade para 4.000 torcedores.

Goytacaz FC – O Goytacaz está de volta. Depois de uma rápida passagem pela terceira e ultima divisão do estado do Rio de Janeiro, o clube azul e branco está a um nível da elite do futebol carioca. O clube é um dos mais antigos e tradicionais do Rio de Janeiro. Foi fundado em 1912 e tem sua sede é na cidade de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense.

Águia do V ale - Com o afastamento do Águia, o futebol de timbó conta somente com uma equipe no profissionalismo. Sua atuação foi breve e sem nenhum brilho. Foi fundado em 2000 e suas cores são azul e branco.

CPF - Segundo consta em matéria publicada no site FutebolPR, o clube é pequeno e vive de grande ambições. Na época, quando disputava o campeonato paranaense, a folha salarial era de 15 mil reais. Hoje não se sabe a respeito de seu status. Foi fundado em 2003 e suas cores são vermelho,verde e branco. Sua sede fica na cidade de São José dos Pinhais-PR.

Fabril de Lavras - Afastado do campeonato estadual desde 2008, quando disputou a segunda divisão e ficou com o honroso terceiro lugar, o clube de Lavras vem tentando a sorte no amadorismo do estado. Os anos de 1988 e 1989 foram de maiores conquistas ao clube, nessa época a equipe alvinegra marcou presença no campeonato nacional. foi fundado em 1932 e o onde manda seus jogos é o Juventino Dias.

Dinamarca de Uberlândia - Várias países inspiraram na hora da fundação de clubes no Brasil. A Dinamarca que é um rico pais europeu, não é um dos nomes favoritos ao fundar um clube. Porém, em 1998, na cidade de Uberlândia, no triângulo mineiro, foi escolhida para ser nome de uma equipe de futebol amador. Suas cores são iguais as do pais que o inspirou, vermelho e branco.

Urano de Curitiba - Se em Minas Gerais um país inspirou uma equipe de futebol, em Curitiba, no Paraná, a inspiração veio do espaço. Urano, sétimo planeta a partir do sol. O clube, por sua vez, limita suas atividades ao futebol amador, fundado em 1968, suas cores são azul e branco.

Clube Andraus Brasil Ltda - Não se tem mais clubes tradicionais na cidade de Campo Largo, todas as equipes da cidade que disputam o estadual são os chamados "Clubes Emoresas". O clube Andraus, não diferente,é um deles, fundado em 2004, a equipe disputa a série bronze do futebol profissional do estado. Suas cores são azul e branco.



 

 

Vereadores e SPFC vão à prefeitura por liberação do Morumbi; argumento é igual ao do Itaquerão

Autor: José Renato - 20/08/2011   Comentários Nenhum comentário

morumbi.jpg

Por Perrone

Os vereadores Marco Aurélio Cunha, conselheiro do São Paulo, e José Police Neto, presidente da Câmara Municipal, se reuniram hoje na prefeitura com Cláudio Lembo, secretário municipal de negócios jurídicos. Foram defender o Morumbi da recomendação feita pelo Ministério Público para que a prefeitura não autorize mais shows no estádio.

O encontro foi um aquecimento para a reunião marcada para horas depois entre Lembo e representantes do São Paulo sobre o mesmo tema. Os tricolores saíram de lá dizendo que a prefeitura demonstrou ser uma parceira na solução do problema.

Um dos argumentos usados pelos vereadores é o de que os shows são importantes para a cidade, pois atraem turistas e aumentam a arrecadação. Logo, seria interessante para a prefeitura ser compreensiva com a causa. Coincidentemente, a tese é semelhante à de que a abertura da Copa vai gerar receitas para a cidade, justificando a colaboração municipal com o estádio corintiano.

Cunha também argumenta que o Morumbi gera mais sossego para a vizinhança do que provoca barulho. “Durante 25 dias do mês,  não há eventos. Fica tudo calmo e ainda existem os seguranças do São Paulo por lá. Uma empresa geraria muito mais movimento e barulho o ano inteiro. É um descalabro dizer que o Morumbi provoca transtorno. O Ministéirio Público deveria colocar na balança os benefícios, que são bem maiores, e os efeitos colaterais provocados pelo estádio”, declarou Cunha.

Outra justificativa é a de que a cidade tem poucas áreas para a realização de shows e seria prejudicada com o veto. “São Paulo não tem praia, e o paulistano não gosta só de shopping”, afirmou o ex-superintendente de futebol do clube.

Também é usado na defesa o fato de o Morumbi receber shows desde os anos 80. Assim, novas leis não poderiam prejudicar uma vocação antiga da arena. “Estão criando leis que dificultam a sobrevivência dos clubes. Desse jeito, logo a cidade não poderá ter nem festa junina. Hoje, está acontecendo  com o São Paulo, mas depois será com a nova arena do Palmeiras, o futuro estádio do Corinthians… Não estou defendendo só o meu time. Quero defender o Paulistano, o Pinheiros, o Palmeiras”, afirmou Cunha.



 

 

Começa a montagem da arquibancada da Arena Amazônia

Autor: Adriano Fernandes - 19/08/2011 Categoria: Adriano Fernandes   Comentários Nenhum comentário

arena-amazonia-01.jpg

Após atingir êxito no teste de montagem do primeiro degrau pré-moldado de concreto armado da arquibancada da Arena Amazônia nesta semana, a construtora Andrade Gutierrez, responsável pela execução das obras, passou a dar continuidade ao processo, nesta quinta feira (18). 

Com quase 100% das vigas inclinadas da arquibancada inferior leste instaladas, a obra começa a ganhar cara de estádio, já que de longe é possível ver as estruturas montadas. 

As estruturas de concreto das arquibancadas (degraus e vigas inclinadas) começaram a ser fabricadas em abril, no canteiro central da construtora. Até agora, 16,72% (414 de um total de 2.475) das peças de degraus e 43% das vigas inclinadas (46 de um total de 108) foram fabricadas. 

O peso das peças varia entre 6 e 10 toneladas e o das vigas, de 9 e 10 toneladas. Esta fase de fabricação e montagem das estruturas de concreto é uma das mais importantes da obra e se estende até janeiro de 2013. Uma grua de 60 metros e alta capacidade auxilia nos trabalhos.

As fases de terraplenagem (99%) e fundações (79%) continuam em andamento do lado oeste e devem ser finalizadas até janeiro próximo.

Certificado

O Bureau Veritas Quality International (BVQI), órgão internacional de certificações, concluiu, no dia 10 de agosto, a segunda etapa de auditoria das obras da Arena Amazônia e concedeu ao estádio a certificação nas normas ISO 9001 (Qualidade), ISO 14001 (Meio Ambiente) e OHSAS 18001 (Saúde e Segurança).  O estádio de Manaus é o primeiro da Copa 2014 a obter as certificações.

Desde a desmontagem e demolição do antigo Estádio Vivaldo Lima, a Arena da Amazônia já vem cumprindo etapas com esse objetivo: 95% dos materiais oriundos da desmontagem e demolição do antigo Estádio Vivaldo Lima foram reaproveitados.

O objetivo do governo é obter o certificado de construção sustentável LEED (Leadership in Energy and Environmental Design). Para isso, 2.850 metros cúbicos de materiais variados (louças, assentos, traves etc.), 23.853 metros cúbicos de concreto (que foi britado e reaproveitado) e uma estrutura metálica de 681 toneladas foram reaproveitados.

fonte: copa2014.org.br



 

 

Se a decisão fosse minha, São Paulo já estaria fora da Copa de 2014

Autor: José Renato - 19/08/2011   Comentários Nenhum comentário

romario.jpg

Ativo nas decisões políticas da Câmara Federal, especialmente nas relativas à Copa do Mundo de 2014 e Olimpíada de 2016, Romário mais uma vez criticou a organização do Mundial brasileiro. Nesta quarta-feira, em um seminário realizado em Brasília, o ex-jogador atacou a candidatura paulista, uma das mais atrasadas. Segundo o jogador, por ele, a cidade estaria fora da Copa.

"Se a decisão fosse minha, São Paulo já estaria fora da Copa de 2014. Faltam três anos e meio para a Copa e nada foi feito ainda", argumentou Romário, em discurso reproduzuido pelo site oficial do deputado do PSB-RJ, e realizado no seminário de Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior.

Segundo relato do site oficial do atual deputado federal, Romário afirmou que muitos não gostariam de ouvir algumas opiniões no discurso desta quarta. O ex-jogador, participante do evento promovido pelo TCU (Tribunal de Contas da União), lamentou o fato de o Mundial não deixar legados em setores como saúde, educação e inclusão da pessoa com deficiência.

"Faço um pedido às pessoas importantes aqui presentes para que comecem a cobrar medidas em relação à preparação do Mundial de Futebol de maneira diferente, pensando nesses legados", disse.

Embora tenha admitido que a parte esportiva, como a construção dos estádios e centro de treinamentos, possa ser considerada um legado para depois do Mundial, Romário novamente voltou a criticar a elitização da Copa por conta do alto preço dos ingressos, seguindo o padrão Fifa. "Infelizmente, a Copa de 2014 será do Brasil, mas não do brasileiro", cutucou.

Abertura da Copa e "igualdade de condições"

Ciente de que as opiniões emitidas causaram polêmica, Romário voltou a se manifestar mais tarde - desta vez, porém, através do Twitter. Por isso, fez questão de explicar melhor suas ideias e defendê-las com base na liberdade de expressão.

"Não entendo vocês (seguidores)... Já que aqui é um Twitter democrático, vocês não têm o direito de falar o que pensam? Eu também. Igualdade de condições", defendeu-se o ex-camisa 11, tratando o caso de forma mais específica e destacando: o problema é com a abertura da Copa do Mundo, não com as partidas do Mundial em si na capital paulista.

"É uma irresponsabilidade São Paulo querer hoje falar em abertura de Copa do Mundo. Amigos, amanhã é outro dia, hein?", explicou, criticando as condições atuais do Itaquerão. "Tem um monte (de estádio) atrasado e São Paulo nem começou. Na moral, o que vocês querem eu eu diga?", acrescentou.

O atual deputado afirmou não se esquivar de posicionamento, e negou qualquer preconceito com os paulistanos. "Galera de São Paulo, admiro vocês acharem que eu, frequentador dessa terra, vou querer que São Paulo não seja uma das sedes da Copa do Mundo. Pô, nada a ver vocês pensarem isso", disse o ex-atacante, que foi além.

"O que falei, vou repetir. Se até agora São Paulo não começou nada relacionado à Copa do Mundo, como tenho que ser a favor do que está errado? E outra coisa: vocês sabem que eu estou aqui para cumprir meu papel. E o que tiver errado em outras sedes, inclusive no Rio, vou falar também", acrescentou.

"Vocês sabem muito bem que nunca fui nem vou ser bairrista. Ainda mais vocês, paulistada sangue bom, que sempre me respeitaram e tiveram muito carinho por mim. Ou vocês já esqueceram que minha despedida na Seleção foi exatamente aí nessa terra boa?", declarou, relembrando o jogo Brasil x Guatemala no Estádio do Pacaembu em 2005.

Fonte: Portal Terra



 

 

Aniversariantes do dia 19 de agosto

19/08/2011 Categoria:   Comentários Nenhum comentário

Pavunense - o Pavunense é muito além do que um modesto clube amador. Em seu auge, o time do bairro da Pavuna revelou diversos jogadores para o futebol nacional, como por exemplo: João Paulo (ex Santos e flamengo), Leo Fortunato (Vitória-BA), Zetti (ex- Metropolitano-SC), entre outros. Fundado em 1923 e suas cores são verde e amarelo.

AABB de Natal - AABB, como todos sabem, significa Associação Atlética Banco do Brasil. Em Natal, capital do Rio Grande do Norte, foi feito um time para a disputa do campeonato amador no ano de 2000. Suas cores, são azul,amarelo e branco.

Recanto de Curitiba - Apesar de pouco conhecido, este clube curitibano tem vários anos de vida. Para ser exato são 58 anos. Tem sede no bairro do Cajuru e suas cores são azul, branco e verde.

Estrela Azul E.C. - Não muito longe de Curitiba, em Campo Largo, a 30 km da capital paranaense, é comemorado mais um aniversário do Estrela Azul. Tradicional e trintão, o Estrela tem vários títulos na região, entre eles o bi campeonato da Copa Bairros. Seu mascote é um jacaré azul e suas cores são azul e branco.



 

 

Torcida do River dá espetáculo e promete apoio na 2ª divisão

Autor: Adriano Fernandes - 19/08/2011 Categoria: Adriano Fernandes   Comentários Nenhum comentário

river-plate-torcida-01.jpg

Toda a ira que contagiou os torcedores do River Plate após o jogo contra o Belgrano, que determinou o primeiro rebaixamento da história do clube, parece ter ficado no passado. A tendência já clássica do time portenho de atrair cada vez mais torcedores quando está em seus piores momentos se confirma e se acirra. Depois de conquistar mais de 80 mil sócios, posicionando-se entre os dez clubes de futebol mundiais com maior número de associados, o River estreou no campeonato Nacional B argentino (equivalente à segunda divisão) com o estádio lotado na noite chuvosa da última terça-feira, enfrentando o Chacarita.

As manifestações de amor e de confiança por parte da torcida começaram antes do jogo através das redes sociais na internet e seguiram desde o início até o final da partida, que ocorreu no Monumental de Núñez, em Buenos Aires. A torcedora Mercedes Rivera conta que os gritos foram quase todos de apoio ao time e que quase não houve vaias. As canções da torcida foram as mesmas de sempre, como "de River, yo soy" (de River, eu sou) e "aunque ganes o pierdas, sigo siendo de River porque a River lo quiero" ("ganhando ou perdendo, sigo sendo de River porque o amo").

Além dessas, a que mais parece se identificar com o momento que vive atualmente o time é a que diz que "porque a River lo quiero, lo vengo a alentar, en las buenas y en las malas mucho más" ("porque eu amo o River, venho a apoiá-lo, nas horas boas e nas más muito mais"). "Neste tipo de campeonato só se permite que torcedores do time da casa compareçam ao estádio e isso ajuda a conter as ofensas à equipe adversária", ressalta Mercedes. As vaias se restringiram aos jogadores reservas Carlos Arano e Rogelio Funes Mori.

Foram muitos os motivos da alegria do público. O primeiro alvo da exaltação foi Matías Jesús Almeyda, que deixou a posição de capitão do time e estreou como técnico. "Todos apoiam ele porque antes de qualquer coisa é apaixonado pelo River", conta o torcedor Gustavo Agüero. Em seguida surgiram os aplausos ao novo capitão Fernando Cavenaghi, a quem costumam apelidaram de "Cavegol".

Logo no início do jogo, os gritos de contentamento se dirigiram também a um dos poucos jogadores que foram mantidos na equipe depois do rebaixamento: o uruguaio Juan Manuel Días - que, nos primeiros minutos do primeiro tempo, fez o gol de cabeça que deu a vitória a River e, logo em seguida, salvou seu time de um gol de empate do Chacarita. Os outros dois destaques da partida foram o atacante Chori Alejandro Domínguez, que teve um gol anulado por impedimento e deu um chute que terminou batendo na trave, e o goleiro Leandro Chichizola, que fez defesas brilhantes, provocando também a ovação dos torcedores.

A vitória não foi fácil. O jogo foi bastante disputado, mas o clima estava tranquilo. O Chacarita conseguiu dominar certos momentos da partida, porém o River tirou o proveito que fez a diferença. Apesar disso, ainda tem muito pela frente. "Em geral o Nacional B é mais difícil que o A. Ainda mais se tratando do River. É um dos principais times da Argentina, então os outros vão para cima", adverte o torcedor Agüero.

A precaução com o resto do campeonato não desanima. A torcida saiu do estádio mais animada do que quando havia entrado, cantando "River Plate te venimos a ver, te llevamos en el corazón, te queremos ver campeón" ("River Plate viemos te ver, te levamos no coração, queremos te ver campeão"). Resta saber se essa animação resistirá caso o bom resultado da estreia não seja constante ao longo do campeonato

Fonte: Portal Terra



 

 

Felipão veta dirigente em sua sala, após falar até em demissão

Autor: Adriano Fernandes - 18/08/2011 Categoria: Adriano Fernandes   Comentários Nenhum comentário

felipao-02.jpg

Por Perrone

Arnaldo Tirone provavelmente está mais preocupado com a entrevista coletiva de Luís Felipe Scolari depois do jogo desta quinta do que com o resultado da partida contra o Bahia. Ele deverá ir à concentração para acalmar o técnico. Existe o temor que Felipão detone Roberto Frizzo, vice de futebol, diante das câmeras após o duelo.

Isso porque as últimas 48 horas foram de tensão no Palestra Itália. A crise que se arastava entre o técnico e o vice explodiu na terça-feira.

Felipão se irritou quando soube que problemas trabalhistas emperravam a troca de Ricardo Bueno por Pierre e que o Atlético-MG não pagaria pelo empréstimo do volante. Descobriu pelo lado mineiro que o acordo costurado por ele havia sido ignorado pela diretoria alviverde, que aceitara a transferência gratuita.

“Se o senhor fez isso mesmo, eu vou pedir demissão”, chegou a dizer o treinador para o presidente, de acordo com seus aliados. Tirone negou ser o responsável por topar liberar Pierre de graça. Scolari explodiu quando quando Frizzo assumiu a autoria da negociação. Chegou a abandonar o cartola numa sala, interrompendo a conversa.

A partir daí, defensores dos dois desafetos usaram munição pesada para tentar minar o inimigo. O grupo de Felipão lançou críticas contra o estilo Frizzo de administrar, alegando que as negociações tocadas por ele costumam enroscar em algum ponto. E queixam-se do pagamento de comissões a empresários, como nas contratações de Paulo Henrique e Gerley.

 Afirmam que Frizzo foi contra a vontade de Felipão de adquirir Luan. E ainda insistiu na compra de Henrique, quando havia uma negociação para trazê-lo de graça, por empréstimo. Enxergam no vice um aliado de Pepe Dioguardi, empresário de Kléber e desafeto de Felipão. Reclamam também de sua amizade com outro agente, José Luís Galante, empresário de Paulo Henrique, e que trouxe o argentino Facundo para o time B.

 "Não houve confusão nenhuma nos negócios que fiz. E não favoreço empresário. Mas é natural  no futebol que algumas pessoas tenham mais simpatia com uns empresários do que com outros. Talvez estejam reclamando por isso", disse Frizzo ao blog.

Tirone já tinha acalmado Felipão com a promessa de que acompanhará mais de perto as próximas negociações quando chegou ao ouvido do técnico, nesta quarta, que a turma de Frizzo planejava contratar Paulo César Carpegiani.

Felipão falou em colocar uma cartaz de boas-vindas para Carpegiani em seu quadro de avisos. Antes, já havia trancado a porta de sua sala, afirmando que lá Frizzo não entra. Assim como o gerente de futebol, Sérgio do Prado. 

Colaboradores de Frizzo, que nega ter problemas com o treinador, demonstram interesse em irritar o técnico. Em vez de aconselhá-lo a pedir demissão, a tropa de choque de Scolari reage tentando jogar o dirigente contra a torcida.



Paginação:  

Exibindo página 7 de 12 em um total de 93 registro(s).


Memória Futebol - todos os direitos reservados 2011

Ap1! Comunicação