• Twitter
  • Facebook

Blog Memória Futebol


Iranduba Campeão Amazonense Feminino

Autor: Adriano Fernandes - 18/08/2011 Categoria: Adriano Fernandes   Comentários 2 comentários

iranduba-feminino.jpg

Em julho passado a equipe do Iranduba da Amazônia, embora com poucos meses de vida, conquistou o campeonato amazonense de futebol feminino em 2011, ao vencer o jogo de volta em Iranduba, a Liga de Itacoatiara por 7x0.

Este resultado possibilitou que pudesse representar o Amazonas na Copa do Brasil de Futebol Feminino que começará hoje, dia 18 de agosto.


 

 

Ou se restaura a moralidade ou nos locupletemos todos

Autor: José Renato - 18/08/2011   Comentários Nenhum comentário

 Por Flávio Araújo

 

Aparício Torelly, o “famigerado” Barão de Itararé foi um dos maiores jornalistas deste país. O famigerado vai entre aspas para se evitar uma interpretação errônea já que o termo é muitas vezes usado para designar um malfeitor. A fama de Aparício era das mais merecidas e seus méritos de jornalista e grande frasista são realmente extraordinários. A frase que encima estes textos já foi apontada como sendo de Oswald de Andrade, outro “cobra criada” e na dúvida já que a verdadeira origem de frases é trabalho para mais de metro e meio dou credito a ambos e todos os demais que se avocarem como seus autores. Fica no velho Barão de Itararé apenas a citação e a certeza de que, mais do que ninguém, ele envergava o látego de sua pena e fazendo rir malhava os políticos e outros famigerados malfeitores de sua época. Hóspede contumaz das prisões das ditaduras, de Getúlio ou de Castelo, Costa e Silva e Médici tinha o grande jornalista em sua porta um lembrete que carregava para onde fosse trabalhar. A placa dizia somente: “ENTRE SEM BATER”. O Barão de Itararé só não foi freguês dos ditadores mais modernos por ter-nos deixado em 1971. Ficou, porém, muito de sua obra que é absolutamente válida para o Brasil dos dias atuais. A frase título desta coluna, do Barão de Itararé ou de Oswald de Andrade faria justiça a muitos ministérios daqueles 38 que se alinham em Brasília. Como é sobre esportes que escrevo e no qual pretendo ficar, entrarei diretamente no link doping em que se transforma rapidamente como a maior desgraça das competições de alto nível nos dias que correm. Hoje estão em voga os diuréticos, sabe-se lá o que nos trará o amanhã? Como por exemplo no caso de se alegar em muitas defesas de atletas que o diurético, o estimulante anabólico ou o diabo a quatro que aumentou a potência do atleta tenha sido inoculado sem querer quando do preparo de um produto hígido e legal, um prosaico suplemento alimentar, por um laboratório qualificado. Faz-me rir, faz-nos rir. O pior é que estão sendo aceitos como tese de defesa e os implicados, oh!, não estão nem aí. Noves fora que existem os componentes que, iguais aos aviões que passam invisíveis pelos radares, resistem ou não aparecem nos mais apurados testes de detecção. A tendência é que aumentem ainda mais e mais atletas competindo sob o efeito extra de substâncias que tornem os métodos de controle absolutamente impotentes. Será que só eu é que estou sentindo uma espécie de ligação entre a campanha que se faz para descriminalização das drogas com o uso sistemático do doping pelos atletas? Por que após a descriminalização o passo seguinte será a liberação e sinto a possibilidade de que esses mundos se confundam, o do esporte de competição com o dos viciados nos mais diversos tipos de drogas. Espero que seja apenas um sonho de minha parte. Um sonho não, um pesadelo, isto é que é. A queda de marcas nas competições, os sucessivos recordes batidos a cada dia passam a ser somente um dado insignificante já que não sabemos quando foi efetivamente o ser humano que alcançou aquela marca. Que as vitórias e sucessos tenham a produção exclusiva do homem ou mulher hígido e sem apoios internos ilegais. Esses diuréticos que os atletas estão usando no momento e com o poder rápido de eliminação e de limpeza geral no organismo de outros produtos ingeridos são apenas o recurso da moda. Tenho certeza que muitos laboratórios, mundo afora, estão trabalhando num ritmo muito mais intenso do que a contrapartida dos institutos que visam brecar a existência dos estimulantes proibidos. Ao mesmo tempo em que a WADA, a agência mundial antidoping, intensifica seus mecanismos de controle, a cada volta que a Terra dá em torno de si são multiplicadas as substâncias proibidas. A partir de 2005 quando a agência aumentou consideravelmente a relação de substâncias ilegais o número de implicados subiu de maneira assustadora. Pela produção acelerada, vertiginosa mesmo, do número de antídotos. Até certa época era com alguma noção de responsabilidade, até com certo sentimento de vergonha, que um atleta recebia a notícia de que seu exame dera positivo. Vivemos atualmente uma fase muito próxima do “liberou geral”. O doping de Ben Johnson em 1988 que estarreceu o mundo da época hoje virou piada e a forma como o velocista o descreveu recentemente provocou risos gerais. Segundo os especialistas as Olimpíadas de Pequim foram disputadas sob o signo das substâncias dopantes e não houve exceções. O ciclismo mundial não tem uma prova sem que atletas sejam apanhados nos exames. Enquanto um e outro são apanhados os especialistas falam nos demais que também estavam dopados e que não entraram na lista dos flagrados. Simplesmente porque as substâncias ingeridas eram impossíveis de serem detectadas. O uso de furosemida, o diurético da moda, é para a grande maioria uma brincadeira: é uma espécie de remedinho infantil no reino do doping. Além do que certas alegações raiam o limite do absurdo. Dentro de pouco tempo, graças à velocidade com que trabalha a ciência estarão superados por substâncias invisíveis e fora de controle dos aparelhos disponíveis. Como no campo científico tudo o que faz o mal pode fazer o bem e a recíproca é verdadeira, os laboratórios poderão sempre lavar as mãos quanto à produção de substâncias dopantes. Ainda outro dia ouvi de uma autoridade no assunto a afirmação que nenhuma modalidade esportiva hoje tem doping zero. É o caminho largo e amplo para o fim do esporte de competição. No Brasil e no Planeta. Voltaremos ao folclore de nossa infância e os saudáveis brinquedos de roda serão as novas atrações. Quem pode dizer que não será um passo à frente?



 

 

Aniversariantes do dia 18 de Agosto

18/08/2011 Categoria:   Comentários Nenhum comentário

Ypiranga de Erexim - Clube de futebol profissional de Erexim, no estado do Rio Grande do Sul. Fundado em 1924 e de uniforme nas cores verde de amarelo, o que faz o clube ser apelidado de canarinho, se encontra na elite do futebol gaúcho. Além de 7 campeonatos municipais, a equipe se destaca por ter ganho a taça do interior do estado em 2009.

1º de Maio de Santo André - Fundado em 1913, o 1º de Maio FC é uma das mais antigas equipes de futebol da região. Contudo, a equipe não tem muita participação no estadual. Nesses quase 100 anos de existência, o clube que foi fundado por colonos italianos que viviam na cidade, se manteve no estadual até meados da década de 40. Atualmente, apostando no social, o clube se mantém longe de quaisquer atividades futebolísticas com exceção do futsal.

Ypiranga de Niterói - Extinto o Ypiranga foi um clube esportivo de Niterói, segunda maior cidade do estado. Fundado em 1912, a equipe tinha o uniforme nas cores vermelho e preto. Seu estádio, o Luso Brasileiro, foi demolido e hoje é onde se encontra uma sub-estação de energia elétrica.

Princesa do Solimões EC- Clube da cidade de Manacapuru, a 84 km  de Manaus, é conhecida como a Princesa do Solimões. Em 1971, com a intenção de criar um time que se identificasse com a cidade e optaram por colocar este apelido pelo qual a cidade é conhecida.Depois de vencer três edições da Taça Amazonas, o Princesa do Solimões vem se monstrando uma das principais forças do estado. Suas cores são vermelho e branco.

AGE de Garibaldi - uma das principais revelações deste clube gaúcho não foi um jogador e sim um técnico. Tite, hoje no corinthians, começou sua carreira de treinador atuando nessa famosa equipe do interior gaúcho. O clube, cuja sigla significa Associação Garibaldi de Esportes, foi fundado em 1998 e não deve ser confundido com o Guarany, da mesma cidade, que usa um escudo semelhante. Suas cores são vermelho, preto e branco.

Brasil de Arroio dos Ratos - Ainda no Rio Grande do Sul. Fundado em 1918, o Brasil tem o escudo e as cores semelhantes as do Atlético mineiro. É sediado em Arroio dos Ratos, que até os anos 40, antes da equipe estrear como profissional, pertencia ao município de São Jeronimo. 

Vera Cruz de Bom Retiro - Em sua última participação no campeonato estadual, o clube vivia do semi profissionalismo. Na época, ao invés de ganhar salários, alguns jogadores recebiam cestas básicas como pagamento. Esta é uma das curiosidades desse modesto clube da cidade catarinense de Bom Retiro. Fundado em 1933 o Vera Cruz tem as cores azul e o branco.

Olímpico de Itabaianinha - O fato mais marcante deste clube não é o futebol e sim a cidade onde está sediado. Itabaianinha, no estado do Sergipe, é conhecida como a terra dos anões. no munícipio, segundo dados existem por volta de 130 pessoas de estatura abaixo do considerado normal. O clube, por sua vez, tem jogadores de altura média. fundado em 1958, tem as cores azul e branco e disputa a elite do futebol sergipano.

Marítimos de Corumbá - Nomes extensos não são apenas privilégios dos clubes catarinenses e gaúchos. Corumbá, no estado do Mato Grosso do Sul, também tem um clube que se enquadra neste quesito. Licenciada do futebol profissional, a Associação Beneficente e Cultural dos Marítimos de Corumbá foi fundada em 1951 e suas cores são azul e branco.

Atlântico de Mongaguá - Mongaguá, cidade do litoral paulista, nunca teve um representante no futebol profissional. Porém, quando se trata de amadorismo, há diversas equipes que merecem destaque. O Atlântico é um deles, fundado em 1970, o clube tem o escudo e as cores semelhantes ao do Santos FC.

Verona de Canguçu - O destaque deste clube é o estádio. Quem pensa que só o Atlético paranaense joga no estádio Arena da Baixada, está enganado. Invejados, talvez, por aquele belo estádio que pertence ao clube paranaense, foi dado o nome "Arena da Baixada" ao campo do Verona , de Canguçu, no interior do Rio Grande do Sul. Um dos principais clubes amadores daquela cidade, foi fundado em 1985 e suas cores são azul, preto e branco.

Brazão de São Leopoldo - Azul, preto e branco, também são as cores do Brazão. Fundado em 2003, o Brazão é um time de futebol amador de São Leopoldo, cidade do Rio Grande do Sul.



 

 

Acidente de trabalho foi estopim para greve no Maracanã

Autor: José Renato - 18/08/2011   Comentários Nenhum comentário

maracana-obras.jpg

Um acidente de trabalho nesta quarta-feira foi o estopim para operários do turno diurno paralisarem as obras de remodelação do Estádio do Maracanã. A suspensão das atividades, iniciada logo após o almoço, já se desenhava há dias e acabou se concretizando após o incidente.

Segundo informações do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada Intermunicipal do Rio de Janeiro (Sitraicp), Carlos Felipe da Silva Pereira sofreu ferimentos após a explosão de um barril que cortava com um maçarico. O recipiente continha gás e estourou enquanto era partido.

O operário foi socorrido no local e, posteriormente, encaminhado ao Hospital Souza Aguiar, onde passa bem. Carlos Felipe sofreu uma fratura no joelho. O acidente deflagrou a insatisfação entre os demais trabalhadores. Eles reclamam que não possuem plano de saúde, disponibilizado apenas para os encarregados da obra.

De acordo com o presidente do Sitraicp, Nilson Duarte da Costa, o Consórcio Delta/Odebrecht/Andrade Gutierrez, responsável pela obra, já havia concordado com a exigência, mas "está demorando muito para colocar em prática."

- Infelizmente, aconteceu esse acidente e decidiram, então, pela paralisação - explicou.

A pauta de reivindicações inclui ainda adiantamento salarial de 40%, cesta básica no valor de R$ 300 e piso salarial para montadores, eletricistas e soldadores.

Calças curtas

Os operários do turno da tarde foram pegos de surpresa pela paralisação. Somente quando chegaram ao canteiro de obras é que tomaram conhecimento da situação. No início da noite, os trabalhadores negociaram com representantes do consórcio as reivindicações.

Na quinta-feira, às 7h, o Sitraicp realizará uma assembleia com os operários em frente ao Maracanã para decidir se a paralisação continuará ou não.

Fonte: lancenet.com.br




 

 

O Futebol das Vedetes

Autor: José Renato - 17/08/2011 Categoria: Roberto Vieira   Comentários Nenhum comentário

vedetes.jpg

Por ROBERTO VIEIRA

17 de agosto de 1959.

Pacaembu lotado.

Só com marmanjo.

Que  mulher já não frequentava estádio.

E nesse dia, muito menos.

O pontapé inicial da partida foi de Derci Gonçalves.

Clássico Rio-São Paulo.

Mas em campo nada de perna cabeluda.

Só beldades.

Foi o Rio-São Paulo das vedetes.

Em benefício da Casa do Ator.

Vedete em 1959 era coisa séria.

Personagem de primeira linha da República.

Terror das esposas e noivas deste país varonil.

Arquibancadas em festa.

Aos 22 minutos da primeira etapa.

Cirene Portugal abre a contagem para as cariocas.

Golaço.

Pois é.

Quem pensava que as paulistas estavam derrotadas.

Não conheciam os dotes futebolísticos de Marli Marley.

No peito e na raça.

Marli empata aos 5 minutos da etapa final.

Marli que marca o gol da vitória cinco minutos depois.

Após penalidade máxima cometida por Iolanda Justi.

Iolanda que inocentemente pegou a bola com as mãos.

Dentro da área.

Fim de jogo?

Invasão de campo.

Revanche?

Duas semanas depois no Maracanã.

Pra botar ordem na casa?

Mario Vianna.

A seleção paulista achou que seria moleza.

Porém as cariocas tinham um trunfo(a).

Janete.

Artista de circo e artilheira.

Janete marcou os dois tentos da vitória: 2x0

Mas a dona do espetáculo foi a espetacular Conchita Mascarenhas.

Classe, suor e beleza na distribuição do jogo.

Conchita que era a própria Marilyn Monroe brasileira.

Conchita que ergueu a Taça ao final da peleja.

A Casa dos Atores ficou alegre.

Dois milhões de cruzeiros antigos nos cofres.

Um pouco de conforto para os artistas abandonados pela sociedade.

Tristes.

O que?

Mulher não tem coragem?

Mulher não entende de futebol?

Vocês que pensam.

Mário Vianna, mestre de artes marciais da temível PE.

Mario Vianna que batia até na torcida.

Pois Mário Vianna apanhou na revanche do Maracanã.

E apanhou caladinho.

Que ele não era besta de reagir...



 

 

Juve irá homenagear o Notts County

Autor: José Renato - 17/08/2011   Comentários Nenhum comentário

juventus-it-1905.jpg

Por: Xico Malta

A Velha Senhora exaltará as suas origens na festa de inauguração de seu novo estádio.

A cerimônia está prevista para o próximo dia 8 de setembro.

O clube de Turim irá promover um amistoso contra um clube crucial em sua história: O Notts County.

Em 1903, enquanto que a Juventus tinha apenas seis anos de vida, John Savage, um sócio do clube de Turim, pediu a um amigo da Inglaterra que lhe enviasse um lote de camisas.

Nesta época, a camisa da Juventus era toda rosa.

Savage preferia que a camisa fosse vermelha como aquela do Nottingham Forrest, time de seu coração.

No entanto, o fabricante se equivocou e mandou um jogo de camisas do Notts County, outro time da cidade de Nottingham, eterno rival do Forrest.

Em Turim, quando abriram o pacote enviado e viram camisas brancas com riscas negras, houve uma enorme indignação: Onde estavam as camisas vermelhas encomendadas?

O campeonato iria começar em alguns dias e a Juventus não teve outra escolha senão utilizar as camisas alvinegras.

Os torcedores adotaram a nova camisa imediatamente e a Juve venceu seu primeiro Scudetto na temporada seguinte.

Para homenagear este capítulo de sua história, a Juventus convidou o Notts County para inaugurar o gramado do novo estádio, no próximo dia 8 de setembro.

Conseqüência no Brasil

O equívoco do fabricante inglês no envio da camisa também teve conseqüência indireta aqui no Brasil.

Em 1904, quando o Botafogo nasceu para o futebol, o time carioca jogava com camisas e calções brancos e meias pretas.

No entanto, em 1906, o time passou a adotar a camisa branca com listas verticais negras em homenagem a Juventus de Turim.

A escolha de utilizar a camisa bianconera se deu pela sugestão de Itamar Tavares, fundador do clube e admirador da Juventus.



 

 

Aniversariantes do dia 17 de Agosto

17/08/2011 Categoria:   Comentários Nenhum comentário

Rabello - Isso mesmo,com dois "L", Rabello foi uma das empresas que construíram Brasília e como a maioria das industrias que tinham seu acampamento de operários na região, a Rabello tinha um time de futebol, um dos primeiros da capital, foi fundado em 1957. Seu uniforme era igual ao do Botafogo-RJ, nas cores preto e branco.

Club Providro - Apesar de ter disputado somente uma edição do campeonato,foi uma das poucas equipes de Caçapava a arriscar a sorte no profissionalismo. Fato que ocorreu em 1966, dois anos apás sua fundação, isso na quarta divisão do futebol paulista. Suas cores eram vermelho e branco, apesar do seu primeiro uniforme mostrar somente uma cor.




 

 

Não é Futebol, mas é Campeonato Brasileiro de Clubes de Hockey In Line

Autor: Marcelo Unti - 17/08/2011 Categoria:   Comentários 1 comentários

img8318.jpg

No último final de semana foi realizado o Campeonato Brasileiro de Clubes de Hockey In Line no Ginásio da Associação Portuguesa de Desportos. Muita festa, atletas de quatro estados e muito, muito Hockey.

A Portuguesa inaugurou seus novos vestiários, os melhores do Brasil e os atletas em quadra mostraram seu melhor jogo. Na primeira fase Amparo Bees, Sociedade Hípica de Campinas e Portuguesa I mostraram sua força e lideraram suas chaves.

No Mata-Mata o favoritismo prevaleceu e as três passaram para as semifinais juntamente com o Palmeiras. Jogos eletrizantes, vitória tranquila da Hipica sobre o Palmeiras e jogo disputado entre Amparo e Portuguesa I e que levaram os dois times do interior para a final.

Na disputa do terceiro lugar, vitória do time da casa nos penaltis e na final interiorana e de grande rivalidade prevaleceu a grande forma do atleta Fifo da Hipica, MVP do campeonato e vitória do time campineiro por 5x2. Com este título a Sociedade Hípica de Campinas acumulou este ano o Nacional e o Brasileiro de Clubes.

Parabéns a todos os atletas e a todos que fizeram mais um campeonato.

Mais informações no site http://www.fphp.org.br/



Paginação:  

Exibindo página 8 de 12 em um total de 93 registro(s).


Memória Futebol - todos os direitos reservados 2011

Ap1! Comunicação