• Twitter
  • Facebook

Fórum

Espaço dedicado a publicação de artigos opinativos sobre a relevância das atividades relacionadas com a disseminação dos fatos históricos que serviram de base para o crescimento do futebol.

Objetiva-se buscar interações com os leitores e fortalecer a discussão e apresentação de opiniões, de uma forma respeitosa e com total transparência.


O homem que substituiu Pelé: Luizinho, um artilheiro das Arábias.

Autor: José Renato - 20 de Abril de 2015   Comentários Nenhum comentário

luizinhodasarabias.png

Luiz Alberto Duarte dos Santos nasceu em Petrópolis, no Rio de Janeiro em 13 de novembro de 1957. Ainda menino veio morar com a família no subúrbio carioca, onde passou grande parte do seu tempo batendo bola nas ruas. Muito franzino se destacava nas peladas por ser “fominha”, aquela cara que queria ficar com a bola a maior parte do tempo. Tinha apenas 13 anos, quando foi convidado para ir treinar nas equipes infantis da Portuguesa Carioca. A carreira parecia pouco promissora, o que fez com que entrasse na faculdade de Educação Física. Até que o ano de 1977 marcou um divisor de águas na vida de Luizinho. Promovido para o time principal, seria centroavante da equipe que disputaria o campeonato carioca daquele ano. O futebol passou a ser sua prioridade. Luizinho tinha 1,80m de altura, era muito rápido e chutava muito forte, sobretudo com o pé esquerdo. Além disso, era muito oportunista. Foi destaque da pequena Portuguesa durante dois anos, chegando até mesmo a ser emprestado para disputar o campeonato brasileiro pelo Juventude de Caxias do Sul. Em 1979, foi contratado pelo Flamengo, onde teve um começo fulminante. Logo ganhou a posição de Claudio Adão, até então titular absoluto, e passou a ser dono da camisa 9 rubro negra. Até que veio o dia 6 de abril de 1979, talvez o maior jogo de toda a sua carreira. Naquele dia, quase 140.000 pessoas, incluindo o Presidente da República, João Baptista Figueiredo, estiveram presentes no estádio do Maracanã para assistir a partida em prol dos atingidos pelas fortes chuvas que caíram sobre Minas Gerais. A partida entre Flamengo e Atlético Mineiro tinha algo ainda mais especial. Aos 39 anos de idade, Pelé atuaria com a camisa 10 da equipe carioca. Por conta disso, Zico ficou com a 9 e Luizinho, no banco de reservas. No entanto, algo muito especial estava guardado para ele naquele dia. Após um primeiro tempo de domínio mineiro, o placar marcava 1 a 1. No segundo tempo, veio o grande momento, substituição no Flamengo: Saiu Pelé, Entrou Luizinho. O centroavante entrou com fome de gol, e juntamente com Zico, comandou a goleada do rubro negro por 5 a 1, com direito a marcar um golaço, o quarto dos cariocas. Luizinho estava no céu. No Flamengo conquistou os dois títulos estaduais que foram disputados no Rio de Janeiro, naquele ano. O mundo queria saber quem era aquele menino que entrou no lugar do Rei, e “acabou” com o jogo. Ao final do ano, foi contratado para jogar no futebol árabe, o Al Nassr. Algo reservado para pouquíssimos craques brasileiros naqueles tempos. Foi uma decisão difícil, pois se ficasse no Brasil, certamente em breve seria convocado para a seleção nacional. Mas era muito dinheiro na jogada. Os donos do Al Nassr contavam com ele para enfrentar o grande rival, o Al Halil, que contava simplesmente com Roberto Rivellino. Eles não se arrependeram, foi de Luizinho o gol do titulo nacional frente ao maior rival. Os árabes queriam mantê-lo de qualquer forma na equipe, mas a saudade foi maior, e ao final do contrato, Luizinho estava de volta ao Flamengo. Desta vez, no entanto, foi impossível arrumar um espaço naquela equipe que acabara de conquistar o titulo brasileiro de 1980, e que contava com o centroavante Nunes em grande fase. Castor de Andrade, patrono do Bangu, tratou de contratá-lo. Foi nesta época que, para diferenciar do centroavante Luizinho Lemos que jogava no América, o jornalista Washington Rodrigues passou a chamá-lo de Luizinho das Arábias. Teve boas atuações no Bangu onde ficou até 1981, quando foi contratado pelo Campo Grande. Foi por esta modesta equipe, que conquistou o seu único título brasileiro, o da Série B de 1982. Sempre artilheiro, disputou a primeira divisão do brasileiro com a equipe que foi dirigida por um técnico estreante, Vanderlei Luxembugo. Ao final do seu contrato, valorizado, foi contratado pelo Fortaleza, juntamente com seu ex- colega do Flamengo, o ponta esquerda Julio Cesar. No Ceará, Luizinho jogou demais, foi artilheiro do estadual com 33 gols e campeão cearense, ao marcar os dois gols da vitória, por 2 a 0 na final do campeonato frente o Ferroviário. Em 1984, voltou ao futebol carioca, defendendo as cores do Bangu e posteriormente do Botafogo onde fez dupla de ataque com Baltazar. No ano seguinte, após rápida passagem pela Desportiva, do Espirito Santo, já estava de volta a Fortaleza, desta vez para defender as cores do Ferroviário. Nesta primeira passagem pelo Tubarão da Barra, Luizinho só não foi campeão, mas foi artilheiro do campeonato cearense com 24 gols e segundo maior do Brasil em 1985. Seria campeão estadual pelo clube em 1988, quando atuou por algumas partidas. Antes disso, em 1987, foi decisivo para a conquista do estadual paraense jogando pelo Paysandu, com direito a gol do titulo na final do campeonato. Ídolo no Papão, onde disputou o estadual daquele ano, foi contratado pelo arquirrival, o Remo, para disputar o campeonato paraense de 1989. Acabou atuando por apenas 6 partidas. Sua ultima partida aconteceu em 3 de maio daquele ano, uma vitória por 4 a 0 frente o Tiradentes. Saiu do estádio, foi para casa e virou lenda com apenas 32 anos de idade. Luizinho das Arábias foi um legitimo representante do futebol brasileiro, artilheiro por todos os lugares que passou, e ídolo por onde passou.


Comentários

Nenhum comentário até o momento.

Deixe seu comentário

Nome:

Seu E-mail:

Assunto da Mensagem:

Mensagem:




Memória Futebol - todos os direitos reservados 2011

Ap1! Comunicação